Quantcast

Por favor, NÃO abra este post. Faça-o por sua conta e risco!

* POR FAVOR, NÃO LEIA ESTE POST *

Eu tinha a certeza que você iria abrir este post com base no título. A curiosidade matou o gato.

Neste momento deverá estar a perguntar como é que eu tinha a certeza disso? Porque é a sua curiosidade que o leva a abrir este post, apenas lendo o título. É o aspecto emocional que nos leva à pesquisa, exploração, aprendizagem e pode ser considerado um mecanismo de subsistência.

A curiosidade pode manifestar-se de várias formas, como o desejo de ler fofocas, acompanhar reality shows na TV, ou o desejo de saber da vida de outras pessoas. Também pode ser o desejo do conhecimento sobre ciência, geografia, ou como reparar coisas estragadas.

A curiosidade é a expressão do desejo de aprender e adquirir novos conhecimentos. Amplia a mente e abre-nos a opiniões diferentes, estilos de vida diferentes e assuntos diferentes.

As pessoas curiosas fazem perguntas, lêem e exploram. São activas na busca de informações ou experiências, e estão dispostas a enfrentar desafios e ampliar os seus horizontes.

A teoria da curiosidade
Até hoje a grande questão acerca da curiosidade permanece. Ela vem de dentro de nós ou é uma resposta ao mundo exterior? Até agora, houve duas teorias.

A teoria da pulsão:
Em psicanálise, a pulsão é um impulso energético interno que direcciona o nosso comportamento. Relaciona-se com as experiências indesejáveis da “incerteza”. É onde se acredita que a curiosidade é um impulso interno que se origina dentro de nós próprios, como quando estamos com fome ou sede. Esta teoria mostra por que procuramos activamente envolvermo-nos em passatempos como palavras-cruzadas ou aprendermos um instrumento musical. Não são apenas actividades inerentemente supérfluas, mas também têm o risco de falha. No entanto, esta teoria falhou em explicar a curiosidade por objectos e levou a outra teoria: a teoria da incongruência.

A teoria da incongruência:
Esta teoria é baseada na ideia de que a nossa curiosidade é motivada quando nos é apresentado algo que não se encaixa na nossa compreensão do mundo. Temos a tendência a ver o universo como previsível e ordenado; sob a teoria da incongruência, quando essa ordem é contestada, a nossa curiosidade é despertada. Imagine que, enquanto você lê este artigo, um lápis na sua mesa move-se espontaneamente alguns centímetros. Isso realmente não se encaixa na nossa visão do mundo – os lápis não se devem mover sozinhos. Conseguiria não olhar à volta da mesa na tentativa de explicar por que o lápis se moveu?

Leia também:  Nas chamas da coragem: homenagem aos Bombeiros de Portugal

Nesse caso, a nossa curiosidade foi despertada por um evento externo e fomos levados a percebê-lo, o que apoia a teoria da incongruência.

Disto isto, ambas as teorias não podem explicar completamente a curiosidade. Cada uma tem dificuldade em explicar um ou outro aspecto, o que significa que a curiosidade permanece um mistério.

A curiosidade ajuda o cérebro a melhorar a memória e a aprendizagem

Se eu perguntar-lhe “qual é o seu hobby preferido?”, “por que se tornou um hobby para si?”, tenho a certeza que a sua resposta será “porque gosto de fazer isso”, “tenho curiosidade”, “acho interessante”. De acordo com vários estudos, a curiosidade ajuda o cérebro a melhorar a memória. Quanto mais curiosos estivermos acerca de um tema, mais fácil será memorizar informações acerca desse tema.

A neurociência por trás da curiosidade
Quando estamos muito curiosos sobre um tema, essa curiosidade afecta a química do nosso cérebro. Ele solicita a produção da hormona “dopamina” que activa o sistema de recompensa e aumenta a motivação para aprender. Então, a dopamina é basicamente a hormona que nos torna viciados em tabaco, álcool, drogas, etc. Além disso, está associada ao desejo e à motivação. Também ajuda-nos na coordenação, tomar decisões, aprendizagem e regulação da memória, reforçando as conexões entre os núcleos e as áreas do cérebro relacionadas à memória, como o hipocampo e a amígdala.

Em todos os aspectos da nossa vida, aprendemos coisas novas. Absorvermos mais facilmente as informações quando temos curiosidade.

Por que a curiosidade é importante para o sucesso?
Está satisfeito com o seu emprego actual? Se sim, excelente. Se a resposta for “não”, então é provável que você não tenha curiosidade sobre o seu trabalho diário e esteja entediado.

Leia também:  O que indicam as listras de cor no tubo da pasta de dentes?

A curiosidade é importante para nos destacarmos de qualquer trabalho e fazermos cada vez melhor, porque fazemos perguntas, aprendemos com os outros e procuramos maneiras de fazermos melhor o nosso trabalho.

Quando as pessoas curiosas fracassam, analisam o seu fracasso, porque desejam saber os motivos, para que possam fazer melhor na próxima vez. Isso aumenta as hipóteses de sucesso.

“Quando a curiosidade está viva, somos atraídos por muitas coisas; descobrimos muitos mundos” – Eric Booth

Geralmente as crianças são curiosas por natureza. A curiosidade é um ingrediente importante do processo de aprendizagem em todas as idades. As crianças precisam disso na escola, assim como as pessoas nos seus empregos. A curiosidade desperta o interesse, a motivação e um sentimento de estarmos vivos.

Viver sem curiosidade torna a vida chata.

5 1 voto
Avaliação do artigo
🔥 Sugestões:

rickyunic

Um projecto com mais de 19 anos, onde apresento e abordo assuntos que me interessam a cada momento da vida. Desde humor, a saúde, passando pela tecnologia, a sexualidade e a espiritualidade. Tudo é válido neste espaço. Conto consigo para passar um bom momento a dois. Peace and Love. Carpe diem. Namastê.

Também poderá gostar de...

5 1 voto
Avaliação do artigo
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários