O embuste das alterações climáticas COLAPSA à medida que novas pesquisas descobrem que a actividade humana tem praticamente zero impacto nas temperaturas globais

Photo by Markus Spiske temporausch.com from Pexels
Partilha nas redes:

Uma série devastadora de trabalhos de pesquisa acaba de ser publicada, revelando que a actividade humana pode representar apenas um aumento de 0,01ºC nas temperaturas globais, o que significa que toda a actividade humana direccionada por alarmistas radicais das alterações climáticas – motores de combustão, voos, tractores a diesel – não tem praticamente impacto nas temperaturas do planeta.

Cientistas finlandeses lideraram a pesquisa, publicando um artigo que explica que a análise do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) sobre as temperaturas sofre um erro gigante – ou seja, falha em explicar a “influência da baixa cobertura de nuvens” e como isso afecta as temperaturas globais. As variações naturais quando existe baixa cobertura de nuvens, que são fortemente influenciadas pela capacidade da radiação cósmica penetrar na atmosfera da Terra devido a variações na força da magnetosfera do nosso planeta, são responsáveis por quase todas as mudanças na temperatura global, explicam.

O gráfico revela que maior cobertura de nuvens está inversamente relacionada à temperatura. Por outras palavras, as nuvens protegem a superfície da Terra do sol, proporcionando um resfriamento da área coberta por nuvens, enquanto que a falta de nuvens resulta num maior aquecimento:

A cobertura de nuvens é responsável pelas mudanças reais nas temperaturas globais

Cientistas da Universidade de Kobe, no Japão, publicaram um artigo quase simultâneo que revela como as mudanças no campo magnético da terra do nosso planeta regulam a intensidade da radiação solar que atinge a atmosfera mais baixa, causando a formação de nuvens que altera as temperaturas globais.

Os raios cósmicos que normalmente são desviados através da magnetosfera são, em tempos de campos magnéticos fracos ou variáveis que emanam da própria Terra, capazes de penetrar ainda mais na atmosfera da Terra, causando a formação de nuvens de baixo nível que cobrem a terra na forma de “efeito guarda-chuva” que protege a terra do sol, permitindo o resfriamento. Mas a falta de nuvens torna a superfície mais quente, como seria de esperar. Agora, esse fenómeno natural está documentado como o principal factor das temperaturas e climas do planeta, e não da actividade humana.

Todo o consumo de combustíveis fósseis pouco contribui para as “alterações climáticas” reais, confirmam os cientistas.

 

RELACIONADO:  Dormir a sesta beneficia desempenho escolar em adolescentes

As “alterações climáticas” são uma fraude
O dióxido de carbono não é o poluente que os alarmistas das alterações climáticas alegam há muito tempo. O CO2 não destrói o planeta e mal tem efeito sobre as temperaturas globais.

A NASA foi forçada a admitir recentemente que o dióxido de carbono está re-esverdeando a Terra em grande escala, apoiando o crescimento de florestas tropicais, árvores e pastagens.

O mapa que mostramos abaixo mostra as áreas da Terra que sofreram o crescimento de florestação desde 1982. As áreas verde claro representam um aumento de 5% e as áreas verde escuro representam um aumento de 50% ou mais.

É importante indicar que a redução do consumo global de combustíveis fósseis não terá praticamente algum impacto nas temperaturas globais. A força e a configuração da magnetosfera da Terra têm um impacto muito maior nas temperaturas. Quanto mais fraca a magnetosfera, mais raios cósmicos penetram na atmosfera, resultando na geração de nuvens, que protegem a superfície do planeta do sol. Assim, uma magnetosfera mais fraca causa resfriamento global, enquanto uma magnetosfera mais forte resulta no aquecimento global, de acordo com esta pesquisa. Este fenómeno é chamado de “Efeito Svensmark”.

 

A “guerra ao carbono” deriva da estupidez, arrogância e analfabetismo científico

O extremo alarmismo dos lunáticos das alterações climáticas em nada se baseia além da propagação de informações cientificas falsas e causar medo e os grandes media mentem deliberadamente ao seu público sobre as alterações climáticas enquanto deram a ganhar triliões de dólares aos globalistas ricos como parte de um “imposto sobre o carbono”.

No entanto, o carbono não é o problema. E a “guerra ao carbono” é uma política estúpida e sem sentido criada por idiotas, dado que os seres humanos são formas de vida baseadas em dióxido de carbono, o que significa que qualquer “guerra ao carbono” é uma guerra contra a humanidade. É uma ciência básica já que as plantas usam dióxido de carbono para crescer. Mais CO2 significa uma Terra mais verde, uma vez que o CO2 é a molécula mais importante para sustentar a vida das plantas em todo o mundo. É surpreendente que o culto das alterações climáticas negue a ciência básica da botânica e da fotossíntese.

 

RELACIONADO:  50 fotos famosas que mudaram o nosso mundo

VIA

Partilha nas redes:

rickyunic

Um projecto com mais de 15 anos, onde apresento e abordo assuntos que me interessam a cada momento da vida. Desde humor, a saúde, passando pela tecnologia, a sexualidade e a espiritualidade. Tudo é válido neste espaço. Conto consigo para passar um bom momento a dois. Peace and Love. Carpe diem. Namastê.