Quantcast

Conexões invisíveis

No silencioso e escondido recanto da alma de um pequeno menino havia um dom peculiar que o distinguia e separava do mundo ao seu redor. Era um dom que não se podia medir em termos tangíveis ou facilmente compreendido pelos outros, mas que era uma parte intrínseca da sua essência: a sensibilidade à energia das coisas, das pessoas e dos lugares.

Desde os primeiros raios da sua infância, ele sentia-se diferente por ter a capacidade de sentir as subtilezas do mundo ao seu redor. Enquanto os outros meninos saltavam despreocupadamente pelos parques, ele observava as cores das flores, os sons das folhas ao vento e as energias que fluíam ao seu redor. O mundo não era apenas um lugar físico para ele. Era uma sinfonia de emoções, energias e histórias. Era um universo infinito de outras sensações.

Essa sensibilidade representava um peso na sua vida. Uma faca de dois gumes que o cortava profundamente. Ele era uma esponja emocional, absorvendo as alegrias e os risos, mas também as tristezas e as dores de todos com quem estava em contacto. Era como se as emoções alheias rompessem a sua alma de forma profunda, deixando cicatrizes invisíveis que o acompanhariam por toda a sua vida.

Muitas vezes, as pessoas ao seu redor não compreendiam a sua sensibilidade. Achavam-no muito frágil e estranho… mas ele não podia evitar o que sentia. Ele sentia-se um rádio humano, sintonizado com as frequências emocionais do mundo, incapaz de mudar de canal.

Leia também:  A nossa caixa de pandora

Um pequeno filósofo na sua essência, que passava horas a contemplar o significado da vida e a profundidade da humanidade. Sentia-se mais à vontade na companhia das árvores antigas do que nas festas barulhentas, pois a energia calma e constante das árvores era um bálsamo para a sua alma.

Às vezes, sentia-se esmagado pela tristeza do mundo, como se carregasse o peso de todas as dores da humanidade nos seus ombros frágeis. A intensidade das suas emoções levavam-no a um isolamento involuntário, pois tinha medo de se ferir constantemente.

Com o tempo, ele percebeu que a sua sensibilidade era um presente precioso, apesar dos desafios que trazia… afinal, é essa sensibilidade que o permite conectar-se com as pessoas de uma forma única, sendo um ombro amigo e um ouvido atento a todos os que precisam. A sua capacidade de sentir a energia à sua volta levou-o a descobrir a beleza escondida na profundeza das almas e dos lugares esquecidos deste mundo.

Apesar das cicatrizes que carrega, a sua sensibilidade é o que o faz ser verdadeiramente humano, permitindo-o ver a beleza e a complexidade do mundo de uma forma completamente profunda e única. Ele percebeu que a riqueza da sua vida residia na sua capacidade de sentir e compreender as emoções e as energias à sua volta, permitindo-o conectar-se verdadeiramente com os outros e com o mundo que o rodeia.

Leia também:  Os 7 ciclos da vida

 

O Anjo da Noite

0 0 VOTOS
Avaliação do artigo
🔥 Sugestões:

Anjo da Noite

Entrego-me à dança das palavras. Cada poema é uma viagem ao coração noturno da alma, onde as estrelas são as minhas testemunhas silenciosas. Um amante da noite, pintando os sonhos com versos e guiando as almas pela magia das letras.

Também poderá gostar de...

0 0 VOTOS
Avaliação do artigo
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários