Curcuma é mais eficaz a matar células cancerígenas do que quimio ou radioterapia

Tempo de leitura: 6 min.

Photo by Marta Branco from Pexels

 

A simples palavra cancro assusta muitas pessoas, e com razão. Ter certos tipos de cancro, geralmente significa enfrentar vários anos de tratamentos agressivos – se tiver a sorte de viver tanto tempo. Embora seja difícil imaginar que o cancro poderia ser, um dia, considerada uma doença não ameaçadora, como muitas das doenças que mataram pessoas há centenas de anos são consideradas hoje em dia, estão a começar a aparecer descobertas cientificas através de vários estudos sobre os efeitos da curcuma nas células cancerígenas, dando alguma esperança aos pacientes.

Esta antiga especiaria Indiana tem sido objecto de muitos estudos nos últimos anos, uma vez que continua a demonstrar a sua força quando se trata de combater e prevenir uma série de doenças. As suas propriedades de combate à inflamação já estão bem documentadas, e agora um estudo publicado na Anticancer Research fornece uma visão abrangente de como o polifenol primário do extracto da curcuma pode matar seleccionando de forma segura as células estaminais cancerígenas, envergonhando a quimioterapia e a radioterapia.

Muitos tratamentos naturais são valorizados pela sua simplicidade, mas a curcuma é surpreendentemente complexa no combate ao cancro. Utiliza múltiplos mecanismos moleculares para atacar as células estaminais cancerígenas, responsáveis pela produção das células tumorais. Essas células estaminais resistem à quimio e radioterapia, e a cirurgia às vezes pode até levá-las a se espalhar, razão pela qual elas geralmente estão por trás de falhas de tratamentos convencionais e recorrência do tumor.

Um aspecto da abordagem inteligente da curcumina é a sua capacidade de regular negativamente a interleucina-6. A super-expressão dessa citocina tem sido associada à inflamação que progride para o cancro, e a curcumina impede que ela seja libertada e estimula as células estaminais cancerígenas. Regula de forma directa e indirecta a interleucina-1, que desempenha um papel vital no crescimento de células cancerígenas, e a interleucina-8, que estimula o recrescimento de células estaminais tumorais formadoras de tumores.

Outro modo pelo qual a curcumina pode combater o cancro é diminuindo a ligação do CXCR1 e CXCR2 e modulando estas vias como vias de sinalização Wnt, a via Notch, a via FAK/AKT/FOXo3A e as vias Hedgehog. Se estes termos não lhe são familiares, não está sozinho – o cancro é uma doença complicada, mas a conclusão é que a curcumina atinge as células estaminais cancerígenas mortais de oito formas diferentes e muito poderosas.

 

Curcumina isola as células saudáveis

A curcumina é muito eficiente no combate ao cancro, visando as células mais perigosas de todas, as células estaminais cancerígenas, sem tocar nas células normais. Contraste isto com a quimioterapia, que danifica o ADN das células que se replicam rapidamente, enquanto são vulneráveis durante o estágio de mitose da divisão celular, sem determinar se as células são cancerígenas ou completamente saudáveis.

Isso é essencial porque as células estaminais normais são necessárias para manter a boa saúde. Elas diferenciam-se nas células necessárias para substituir as células que estão danificadas ou doentes, e matá-las é um dos maiores problemas da quimioterapia e da radioterapia.

Os cientistas não sabem ao certo porque a curcumina não tem esses efeitos negativos nas células estaminais normais. Uma explicação possível é que as células malignas simplesmente absorvem mais curcumina do que as células normais. Também é possível que a curcumina estimule as células estaminais cancerígenas a se diferenciarem das células mais benignas. Outros teorizam que a curcumina altera os micro-ambientes das células de maneira que beneficiam as células estaminais normais e prejudicam as células estaminais cancerígenas.

Podemos não saber ainda como isso funciona exactamente, mas sabemos que pode ser muito eficaz. Talvez ainda mais importante, é que é muito seguro em comparação com os tratamentos contra o cancro actualmente disponíveis. A curcumina tem sido usada com segurança como especiaria culinária em muitas culturas há várias centenas de anos, e causa muito poucos efeitos colaterais, se houver, nos testes.

Os cientistas ainda estão a tentar determinar as melhores maneiras de aproveitar o poder da cura da curcumina como uma terapia para o cancro, e as quantidades necessárias para fazer a diferença com segurança, mas enquanto isso, pode desfrutar de alguns benefícios numa escala menor, adicionando esta especiaria na sua cozinha. Lembre-se de usar um pouco de pimenta preta para aumentar a sua biodisponibilidade. É possível que o cancro acabe por se tornar uma doença com uma perspectiva bem menos assustadora à medida que os cientistas desenvolvem tratamentos baseados na curcumina.

 

BioBran

O BioBran MGN-3 é um suplemento alimentar de farelo de arroz tratado com um processo exclusivo e patenteado.

Os efeitos de melhoria imunológica do BioBran MGN-3 tem uma acção rápida e surgem em apenas alguns dias.

O BioBran MGN-3 aumenta a actividade dos linfócitos – células B, células T e especialmente as células NK (células naturais assassinas). As células B produzem anticorpos enquanto as células T e NK destroem as células infectadas por vírus ou bactérias e as células que se tornaram cancerígenas. Durante o seu ciclo de vida uma única célula pode matar até 27 células cancerígenas.

Biobran MGN-3

 

[via]

Gostou deste artigo?

Clique nas estrelas para avaliar o artigo!

Classificação média / 5. Número de votos:

Como achou este artigo útil...

Siga-nos nas redes sociais!

Também poderá gostar de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.