Planta salicórnia poderá tornar-se alternativa ao sal

PUBLICIDADE

 

Uma investigadora desenvolveu um processo que permite retirar o cloreto de sódio da planta marinha salicórnia, tornando-a “mais saudável” e criando assim uma alternativa ao sal, noticiou a agência Lusa.

O projecto denominado Sal Verde foi desenvolvido por Marisa Ribeirinho, da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), no âmbito do seu doutoramento.

“Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os AVC (Acidentes Vasculares Cerebrais) são causados, na sua maioria, por excesso de cloreto de sódio [sal] no sangue, sendo esta a maior causa de morte a nível global”, disse a responsável pelo projecto.

Até 2017, “registou-se na Europa uma percentagem de 27,5% de mortes por AVC”, continuou a investigadora, que começou a trabalhar com a salicórnia (conhecida por sal verde ou espargo do mar, devido à semelhança aos espargos verdes) em 2013, quando a planta “não era muito conhecida em Portugal”.

Em declarações à Lusa, Marisa Ribeirinho contou que o processo desenvolvido permite igualmente produzir a salicórnia durante todo o ano, contornando assim a questão produção sazonal da planta, que só está disponível no meio natural entre Abril e Setembro.

“A salicórnia, que tem propriedades medicinais já descritas – antitumoral, diurética e antioxidante – pode ser utilizada como condimento, devido ao seu sabor muito peculiar, que se assemelha a maresia”, referiu.

Com o Sal Verde, a equipa participou no BIOTECH_agrifood INNOVATION, um programa de pré-aceleração criado pela Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica do Porto (ESB-UCP), com o apoio da associação Portugal Foods e da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE).

Este programa tem como objectivo seleccionar ideias inovadoras para o sector agro-alimentar e apoiar a sua transformação em projectos de negócio.

Via: Estudo conduzido pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Photo by Kaboompics // Karolina from Pexels, artigo

PUBLICIDADE

Também poderá gostar de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Ajude-nos adicionando o nosso site à sua whitelist do adblock. A publicidade ajuda-nos a oferecer-lhe informação livre e gratuita. Obrigado.

Já imaginou viver numa época onde toda a informação é manipulada?

Detectámos que está a utilizar um bloqueador de anúncios.

Por favor, considere adicionar o nosso site à sua lista de sites permitidos.

Os custos para manter um site activo são relativamente elevados.

Ao apoiar os sites independentes está a contribuir para o acesso à livre informação.

Obrigado!