Os 7 ciclos da vida

Partilha nas redes:

Photo by Frans Van Heerden on Pexels

Sabia que duas pessoas não vêm o mesmo arco-íris? É um facto. Cada um de nós vê um arco-íris através de biliões de gotas de água. Mesmo que estejamos a apenas alguns centímetros de distância, estamos a vê-lo através de um conjunto completamente diferente de lentes para ver uma das vistas mais magníficas da natureza.

 

Photo by Maciej Pienczewski on Unsplash

O número 7
Porque é que o número 7 nos fascina? Quando lançamos dois dados, sete é estatisticamente o número mais provável de ser lançado. Muitas fortunas foram feitas e perdidas com essa premissa.
Em muitos textos sagrados, o número sete é omnipresente. Sete é mencionado mais de 700 vezes na Bíblia, começando com o número de dias necessários para criar o mundo. Existem sete selos no Livro das Revelações. Existem sete notas numa escala musical comum, a oitava nota é a a oitava acima da primeira nota. Existem sete cores no arco-íris. A lua tem quatro fases distintas: lua cheia, lua nova, quarto crescente e quarto minguante, cada uma com, aproximadamente, sete dias de diferença. Existem sete Chakras.
Por último, mas não menos importante, existem sete planetas visíveis no céu – os mais óbvios são o Sol e a Lua – os outros são Vénus, Mercúrio, Marte, Júpiter e Saturno. Estes sete planetas forneceram uma base de crença que foi usada por vário milénios. Tornaram-se nos antigos deuses gregos, romanos e egípcios, assim como a maioria das outras culturas. Na astrologia védica, eles podem definir quase todos os aspectos da nossa vida, desde o nascimento até à morte.

 

O sistema Ptolemaico
No segundo século da era comum, Cláudio Ptolomeu de Alexandria usou os planetas, baseados nos seus atributos astrológicos e astronómicos, para definir o que ele chamou de “As Sete Idades do Homem”. Ptolomeu era um génio e um estudante de astronomia, matemática, música cartografia, humanidade e do mundo natural. A sua teoria do Universo Geocêntrico definiu a mecânica celestial durante séculos, principalmente porque funcionou.

Ptolomeu acreditava que tudo o que existia está ligado a tudo o resto e está, em última análise, ligado aos planetas. Cada planeta recebeu atributos, muitos dos quais ainda hoje são usados pelos astrólogos.

Isso levou ao conceito de que cada pessoa é um microcosmo único do cosmos, fornecendo assim um modelo para explicar a nossa jornada pela vida, em que cada planeta governa um determinado número de anos.

Ptolomeu começou o nosso ciclo de vida com o mais rápido dos planetas, a lua. Os estágios de vida de Ptolomeu são sensatos e foram expandidos por pensadores metafísicos e filosóficos através dos tempos. Muitas dessas visões são populares hoje em dia, equiparando cada estágio a um determinado animal, temperamento ou algum outro tipo de influência. Mas porque não começarmos com o original? Vamos ver o sistema de Ptolomeu.

 

Estágio 1: A LUA – 0 a 4 anos
Nascemos sem conhecimento do mundo – um estado de inocência.
Como a Lua ilumina uma noite escura, este período fornece as primeiras visões da vida.
Às vezes a luz é brilhante e outras vezes é fraca, como o luar durante várias fazes da Lua. Hoje, as crianças são expostas a uma forma de iluminação electrónica, sem precedentes na nossa história. Existem bebés de 1 ano que conseguem mexer num smartphone melhor que nós, adultos. O hermetismo ensina que a Lua, como reflexo do Sol, é uma fonte de uma possível ilusão. Esperamos que as crianças do futuro encontrem uma luz verdadeira para as guiar no seu caminho.

 

RELACIONADO:  Cinco hábitos saudáveis que poderão aumentar a vida em 10 anos

Estágio 2: MERCÚRIO – 4 a 14 anos
Mercúrio tradicionalmente dirige a mente, as buscas intelectuais, a trapaça e o prejuízo. Este período de dez anos inclui a fase escolar, fazer amigos, a puberdade e tornar-se um ser social. Este período é um dos mais importantes nas nossas vidas, pois muitas vezes cria algumas das impressões poderosas que nos fazem ser quem somos, para o resto dos nossos dias.

Mercúrio pode enganar, por isso é importante lembrar que nem todas as memórias do passado são o que parecem ser.

 

Estágio 3: VÉNUS – 14 a 22 anos
Vénus lida com a estética, conceitos de beleza, o desenvolvimento de certas éticas e a sua visão do mundo.
De muitas maneiras, esta é uma das mais formativas de todos os estágios, porque prepara-nos para o que vem a seguir. Este período de oito anos ajuda-nos com o nosso sentido de realidade e pode imprimir a forma como vemos os nossos parceiros, bem como os nossos amigos, parentes e até nós mesmos ao longo da vida. É vital que uma auto-imagem positiva e auto-estima sejam nutridas durante este período, pois os resultados podem durar décadas se não procurarmos mudar activamente.

 

Estágio 4: O SOL – 22 a 41 anos
O nosso estágio solar permite-nos exercer o nosso brilho e poder no mundo como adultos, o que quer que isso signifique para cada um de nós. Todos temos os direitos e benefícios de sermos adultos, muitas vezes sem a experiência e sabedoria para saber o que fazer com isso. Alguns indivíduos vão usar este período para aquecer o ambiente, cultivando um jardim exuberante para todos. Outros vão queimar o planeta com calor intenso e falta de consciência pelos outros.

É importante lembrar que para todos nós, o Sol dá vida, mas cabe a cada um de nós fazer algo positivo com esse poder.
Se não ajudarmos os outros, estamos perdidos. A espiritualidade pessoal e o crescimento, muitas vezes fazem parte deste estágio, mas às vezes de forma egocêntrica.

 

Estágio 5: MARTE – 41 a 55 anos
Marte é acção e a melhor exemplificação é fazer algo positivo pelo mundo.

Durante este ciclo, devemos ser o mais activos possível e lutar por aquilo em que acreditamos.
Infelizmente, junto com este estágio, podemos perceber que não encontramos a vida que idealizámos e que as coisas não estão de acordo com o esperado. Normalmente isso acontece quando ocorre uma crise de meia idade. Homens e mulheres perguntam-se se isso é tudo o que existe, voltando-se para os prazeres físicos – carros novos, negócios, ou qualquer outra coisa que aparentemente acalme a energia quente e marciana dentro deles. Muitos divórcios ocorrem durante este ciclo, principalmente porque as razões para tal insatisfação raramente são internas, especialmente quando é mais fácil projectar as nossas aflições para o mundo exterior.

 

RELACIONADO:  Para onde vão os nossos amigos quando estamos a passar por uma crise?

Estágio 6: JÚPITER – 55 a 67 anos
Júpiter traz-nos a capacidade de sentar e olhar a vida objectivamente e sem arrependimentos. É um governante natural e assume uma sabedoria e compreensão do modo como as coisas funcionam.
Na astrologia védica, o planeta Júpiter é muitas vezes conhecido como Guru, mostrando que ele é um professor e um doador de vida e esperança.
É durante o estágio de Júpiter que podemos encontrar o domínio daquelas buscas que temos trabalhado nas nossas vidas. Uma vez que a maestria é alcançada, a realização da mortalidade de alguém leva ao desejo e imperativo de ensinar. Na melhor das circunstâncias, o estágio de Júpiter revela compreensão da responsabilidade que temos para com as gerações que vêm a seguir. É nosso dever sermos benevolentes, expansivos e transmitir o nosso conhecimento àqueles que vierem depois. Este pode ser um momento altamente espiritual nas nossas vidas.

 

Estágio 7: SATURNO – A partir dos 67
Saturno é o planeta do tempo cronológico. Em Saturno, percebemos a realidade da nossa existência e verdadeiro auto-conhecimento, ou a falta dele. A juventude dá lugar à maturidade e, eventualmente, passamos para uma experiência mais alegre que só pode ser completamente apreciada através da sabedoria que vem de décadas passadas neste planeta. Para alguns, Saturno cria uma presença influente e duradoura que deve ser abraçada pela sociedade, mas infelizmente tem sido negligenciada no Ocidente. Para outros, é um momento de amargura e arrependimento. Nas memórias daqueles que estão no estágio de Saturno está a história viva do nosso planeta.
O passado é prólogo e a informação que Saturno tem para nos transmitir é inestimável.
A capacidade de abraçar o nosso estágio de Saturno, sem medo e com um sentimento de gratidão, é a recompensa de uma vida bem vivida e bem amada.

Estes ciclos são repetidos em formas de miniatura todos os dias nas nossas vidas. É possível usar os 7 ciclos para analisar qualquer coisa. Por exemplo, em que estágio está o seu trabalho agora? Se está apenas a começar, está na fase da Lua ou de Mercúrio? E o seu relacionamento amoroso está na fase de Marte? Se assim for, você pode ser paciente o suficiente para entrar no estágio de Júpiter, ou está ansioso para que Saturno assuma o controlo de comece novamente com a Lua num novo relacionamento?

 

Um sistema intemporal
Há muito que pode ser feito com este sistema. Está limitado apenas pela sua imaginação e a sua vontade de abraçar um conceito de milhares de anos, ainda que atemporal. O sistema de Ptolomeu funciona e faz sentido.

Olhe dentro de si para ver a beleza do relógio celestial do qual todos fazemos parte. Vai ganhar mais do que conhecimento.

Lembra-se do arco-íris que falei inicialmente? Assim como nós dois não vemos exactamente o mesmo arco-íris, nenhum de nós experimentará uma fase da vida como qualquer outra pessoa. Aí reside um dos maiores benefícios desta existência, sendo esse o próprio mistério. Não deixe ninguém tirar esse mistério de si mesmo.

 

Carpe Diem.
Paz e Amor.

 

[via]

Partilha nas redes:

rickyunic

Um projecto com mais de 15 anos, onde apresento e abordo assuntos que me interessam a cada momento da vida. Desde humor, a saúde, passando pela tecnologia, a sexualidade e a espiritualidade. Tudo é válido neste espaço. Conto consigo para passar um bom momento a dois. Peace and Love. Carpe diem. Namastê.

Também poderá gostar de...