Dieta saudável poderá não cortar os malefícios do sal

PUBLICIDADE

 

Seguir uma alimentação saudável pode não atenuar os efeitos do consumo elevado do sal sobre a tensão arterial, demonstrou um estudo.

O estudo que foi conduzido por investigadores de várias instituições incluindo o Imperial College London, Inglaterra, analisou a alimentação de 4.680 pessoas de 17 amostras populacionais oriundas da China, Japão, Reino Unido e EUA e concluiu que o consumo de sal faz subir a tensão arterial por mais saudável que seja a dieta adoptada.

Os participantes no estudo, que foi conduzido entre 1997 e 1999, tinham entre 40 e 59 anos de idade e foram seguidos durante quatro dias, tendo-lhes sido recolhidas duas amostras de urina. Foram também medidos o peso, altura e tensão arterial.

A equipa calculou ainda, através de informação nutricional, o aporte de mais de 80 nutrientes que poderiam estar ligados a uma pressão arterial reduzida como a vitamina C, fibra e ácidos gordos ómega 3. Muitos destes nutrientes encontram-se na fruta, hortaliças e cereais integrais.

A equipa encontrou uma correlação entre a hipertensão arterial e o consumo mais elevado de sal, mesmo com o aporte de potássio e outros nutrientes. Com efeito, o consumo médio de sal de todos os participantes era de 10,7 gramas diários: 8,5 gramas no Reino Unido, 9,6 gramas nos EUA, 13,4 gramas na China e 11,7 gramas no Japão.

Cada aumento de sete gramas de sal (o equivalente a 1,2 colheres de chá) foi associado a um aumento de 3, 7 mmHg na tensão arterial sistólica.

A tensão arterial é medida segundo dois factores: a tensão arterial sistólica que mede a força com que o coração bombeia sangue para o resto do corpo, e a tensão arterial diastólica, que mede a resistência dos vasos sanguíneos à passagem do sangue. A tensão arterial idealmente varia entre 90/60 e 120/80 mmHg.

Este estudo põe em causa o conceito que defende que o consumo de quantidades elevadas de fruta e hortaliça contrabalança o efeito do consumo elevado de sal na tensão arterial.

 

Via: Estudo publicado na “Hypertension”, artigo

PUBLICIDADE

Também poderá gostar de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.