Crianças mais vulneráveis a problemas de sono devido a dispositivos electrónicos

As crianças e os adolescentes estão particularmente vulneráveis aos efeitos do tempo que passam em frente a um ecrã digital, revela um novo estudo de revisão.

PUB

Conduzido por uma equipa de investigadores da Universidade de Colorado Boulder, EUA, os estudos revistos demonstraram que considerando que os olhos, cérebro e padrões de sono das crianças e adolescentes se encontram em desenvolvimento, a exposição aos dispositivos com ecrãs perturba particularmente o sono naquela faixa etária.

A equipa propôs-se assim procurar determinar as razões pelas quais os media digitais afetam negativamente o sono.

Para a sua investigação a equipa procedeu à revisão sistemática de 67 estudos que incluíam crianças e adolescentes de cinco a 17 anos de idade, de todo o mundo.

A revisão apurou que 90% dos estudos tinham concluído que passar mais tempo em frente a um ecrã digital fazia com que as crianças fossem mais tarde para a cama, dormissem menos horas e tivessem uma pior qualidade de sono.

Segundo o estudo, o facto de os olhos das crianças não estarem ainda totalmente desenvolvidos, torna-os mais sensíveis ao impacto da luz sobre o relógio biológico interno do que os adultos. “A luz é o principal cronómetro do relógio do nosso cérebro”, comentou Monique LeBourgeois, primeira autora do estudo.

Os autores do estudo apontaram também que as crianças e adolescentes que deixam o telemóvel ou computador dentro do quarto durante a noite apresentam uma probabilidade muito maior de terem problemas de sono.

Um outro estudo revisto apontava que a exposição idêntica de luz a crianças e adultos, fazia com que os níveis de melatonina das crianças diminuíssem o dobro do que nos adultos.

Os autores explicaram ainda que o uso de dispositivos de media móveis por crianças pequenas triplicou desde 2011, com crianças de menos de oito anos de idade a usarem-nos durante 48 minutos por dia e com muitos pais a incluírem media digital à hora de dormir.

“Os anos pré-escolares são um período muito sensível de desenvolvimento, durante o qual o uso dos media digitais está a tornar-se cada vez mais generalizado”, disse Monique LeBourgeois. “Há muita coisa que desconhecemos”, concluiu.

Estudo publicado na revista “Pediatrics”
[via]
PUB

Também poderá gostar de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.